Cafeína: de vilã a mocinha

27/10/2015

Quando falamos em cafeína, a primeira coisa que vem à cabeça é aquele cafezinho, não é mesmo? Considerado um vilão por muito tempo, hoje o composto é usado na medicina, em produtos cosméticos, que trazem resultados excepcionais, e até por atletas que buscam melhorar o rendimento. Além do grão de café, outros alimentos que contém cafeína são: chá preto, chá mate, chá verde, bebidas com cola, guaraná e também o chocolate amargo.

Coffee beans and cups

 

Estudos recentes têm mostrado que o consumo moderado da cafeína pode trazer benefícios para a saúde, como no tratamento de dores de cabeça e da depressão. Quando ingerida, ela atua diretamente no sistema nervoso central e tem um forte efeito sobre as funções mentais e comportamentais. Os principais efeitos produzidos são excitação e euforia, redução da sensação de fadiga e um aumento da atividade motora, por isso, muitas pessoas recorrem a ela para trabalhar ou manter-se acordado por mais tempo.

Segundo a nutricionista Luisa Wolpe, cerca de 95% da cafeína ingerida é metabolizada pelo fígado e somente de 3% a 5% dela é eliminada pela urina. Por esse motivo, aproveitando-se do fato de ser altamente metabolizada, a indústria cosmética tem usado a cafeína em produtos de beleza.

Adicionada a produtos de uso cosmético por estimular a queima de gordura nas células, a cafeína traz vantagens para quem busca reduzir medidas e eliminar as famosas celulites. Como é o caso da bermuda Slim Model, que além da compressão que modela o corpo, ela libera ativos cosméticos a base de cafeína quando em contato com a pele, o que auxilia na perda de medidas e na redução da celulite. Saiba mais aqui. Para o caso de tratamentos com cremes, são necessárias sessões de massagem com profissionais aliadas a tratamentos home care. Além disso, o popular cafezinho é rico em propriedades benéficas para a pele, sendo um poderoso antioxidante e combatendo os radicais livres, responsáveis pelo envelhecimento cutâneo.

Mas, apesar de tantos benefícios, vale ficar atento ao consumo exagerado e às contraindicações. “O consumo exagerado de alimentos com cafeína pode fazer o efeito contrário e, ao invés de benéfica, ela torna-se maléfica para a saúde. Sem contar a quantidade de açúcar consumida junto com o café”, alerta Luisa. Segundo ela, o ideal é não consumirmos mais de 400 ml diárias, ou seja, cerca de cinco xícaras de cafezinho. Entre os efeitos colaterais estão a hiperatividade, problemas no sono, dores de estômago, irritabilidade, e até aumento dos batimentos cardíacos. Além disso, cardíacos, hipertensos e pessoas que já têm problemas de insônia ou de estômago devem evitar o consumo. Mulheres em fase de TPM podem notar um aumento da irritabilidade já comum nessa fase. Já para tratamentos cosméticos, não foram encontradas contraindicações, por isso, abuse desses produtos e prepare-se para arrasar no biquíni!