Como avaliar os diferentes tipos de gordura

14/04/2016

Hoje trouxemos uma dica para ajudar a você, profissional de saúde estética, com relação aos parâmetros para avaliar a gordura (lipodistrofia) do cliente, facilitando assim o preenchimento do Prontuário de Avaliação Corporal (PAC), que é super importante antes de iniciar qualquer tratamento, assim como outros prontuários estéticos, assunto que já abordamos aqui no blog.

Muitos profissionais de saúde estética têm nos procurado para esclarecer dúvidas sobre a avaliação da lipodistrofia, que pode aparecer no PAC para ser identificada como do tipo visceral, subcutânea ou mista, sendo que a subcutânea pode ter característica túrgida, dissociada e lipoedema. Para se chegar a essa classificação, é preciso conhecer um pouco mais sobre as particularidades de cada uma.

Durante o desenvolvimento embrionário existe a formação de dois tipos de tecido adiposo, um caracterizado por adipócitos preenchidos por uma gota única de gordura, chamado de adipócito unilocular, que se distribui acima da fáscia muscular e abaixo da derme, responsável pelo relevo e preenchimento do tecido; e o outro caracterizado por uma célula com muitas mitocôndrias e gotículas de gordura, chamado de adipócito multilocular, que se distribui entre as vísceras e a parede muscular do abdômen, responsável pela termogênese corporal.

1

Diferenças constitucionais de na distribuição dos adipócitos no tecido adiposo branco (gordura subcutânea) e tecido adiposo pardo (gordura visceral)

Quanto ao tecido adiposo branco, sabe-se que seus mecanismos de lipólise podem ser estimulados por ativos cosméticos e recursos eletroterápicos lipolíticos, justamente por se tratar de um tecido subcutâneo a que o profissional de saúde estética tem fácil acesso. Já o tecido adiposo pardo se encontra abaixo da parede muscular abdominal, o que torna inviável a utilização das mesmas técnicas de lipólise utilizadas no tecido adiposo branco. Nesse caso é necessário estímulo de termogênese e sem associação com reeducação alimentar e atividade física. Diferentemente do tecido adiposo branco, dificilmente é possível ter resultado de redução no tecido adiposo pardo. Há casos ainda, onde no mesmo indivíduo é possível perceber depósito de gordura subcutânea e visceral, que chamamos de maneira simplificada de gordura/lipodistrofia mista.

Quando se trata de lipodistrofia localizada (subcutânea) ainda temos possibilidades de diferenciação de acordo com a característica da deposição de gordura e do tecido conjuntivo. Podemos encontrar a lipodistrofia túrgida ou campacta, que é caracterizada por um tecido endurecido e entumescido, de difícil palpação, geralmente dolorosa e com pouca mobilidade. Já a lipodistrofia dissociada é caracteristicamente descompactada, com aparência acolchoada, de fácil palpação e com mobilidade. Além disso, também encontramos o lipoedema, que é caracterizado por seu aspecto celulítico, entretanto trata-se de lipodistrofia localizada e alteração venolinfática, responsáveis por conferirem à pele características de edema e ondulações.

Com certeza quanto mais a fundo você conhecer a alteração estética, mais fácil será traçar o tratamento personalizado ideal para cada cliente, com os melhores ativos para alcançar resultados muito mais satisfatórios.