Tratamentos com ácidos – seu uso é seguro?

26/05/2016

pele-ressecadaOs tratamentos com ácidos exigem muita cautela, tanto do profissional de saúde estética que vai aplicar os produtos, quanto do próprio consumidor, que deve estar atento sobre o que é permitido nas clínicas de estética. Conhecendo esses limites, com certeza seu tratamento será um sucesso.

Pela ação queratolítica, os ácidos estão entre os principais produtos utilizados para a realização de peeling. Aqui no Blog você pode conferir um post que fizemos especificamente para diferenciar os tipos de peeling cosméticos, que realmente são os queridinhos da estética (clique aqui). Também abordamos sobre como alcançar os 3R’s da Beleza – Rejuvenescer, Reluzir e Renovar, e os tipos de tratamento que podem utilizar o peeling como um aliado para a potencialização de resultados. Então agora é hora de falar um pouco sobre o uso seguro dessa substância.

cosmetico_seguroLegislação cosmética X segurança e eficácia
O profissional de saúde estética deve estar atento à concentração dos ativos nos cosméticos. De acordo com a Câmara Técnica de Cosméticos (CATEC) e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) o máximo para uso seguro em cabine no caso dos AHA’s industrializados é de 10% e pH mínimo de 3,5, garantindo assim um respaldo legal, além de enaltecer o profissionalismo de quem atua na área. Considera-se que a atividade dos AHA’s está diretamente relacionada ao valor de pH, e que os próximos de 3,8 fornecem boa relação entre segurança e eficácia. Para a Anvisa, o pH correto pode evitar sequelas como cicatrizes, discromias, hipercromias e até mesmo infecções.

O ácido salicílico, com dosagem permitida de até 2% em cosméticos, além de propriedades semelhantes às dos AHA’s, apresenta também função antimicrobiana, ação bacteriostática e fungicida. Alguns ativos consagrados em dermatologia, como o ácido retinoico e o fenol, por exemplo, são proibidos em cosméticos. Outro ponto importante é observar o tamanho da embalagem e o rendimento do produto, para determinar a relação custo-benefício.

Os peelings devem ser realizados somente por profissionais qualificados e os produtos cosméticos utilizados para essa finalidade devem ter liberação do Ministério da Saúde, além de testes de segurança e eficácia. Outro ponto muito importante a ser observado, é que a formulação tenha bases biocompatíveis, livre de óleos minerais, conservantes parabenos e liberadores de formol, parafina e propilenoglicol, a fim de garantir segurança e bons resultados. Essas substâncias têm alto potencial irritativo e sensibilizante e o próprio procedimento do peeling já provoca uma sensibilização, por isso devem ser evitadas. No caso dos parabenos, além de alergênico, tem ação semelhante à do hormônio feminino estrogênio, que é um dos responsáveis pelo aparecimento de alterações inestéticas, como acne, manchas e celulite. Por isso não se deve usar produtos cosméticos com parabenos, pois estará tratando o problema com o que provoca sua causa.

Com todas essas nossas dicas, você que é profissional com certeza estará muito mais preparado para realizar esse procedimento em seus atendimentos. E você que é cliente e gosta de estar sempre de bem com a vida e consigo mesmo, poderá aderir sem medo aos peelings, inclusive com ácidos.

Até a próxima.