Livre-se das manchas e conquiste uma pele lisinha

07/02/2017

 

Quem não sonha em ter uma pele lisinha, sem nenhuma linha de expressão ou manchas?

Mas, a verdade é que a maioria das pessoas tem ou vão apresentar alterações estéticas na derme, entre elas destacam-se as hipercromias, ou seja, manchas mais escuras que a cor natural da pele.

E essas manchas incomodam muito, não é mesmo? Principalmente quando afetam o rosto e partes mais visíveis da pele como pescoço, colo e mãos.

As hipercromias são ocasionadas pela produção exagerada de melanina, proteína que confere a coloração da pele. Outros fatores externos também influenciam no surgimento dessas manchas, como o envelhecimento (manchas senis), as alterações hormonais, comuns durante a gestação, a exposição solar, inflamações, alergias, traumas, depilação, o uso de alguns medicamentos como contraceptivos orais e medicamentos fotossensibilizantes.

Os tipos de hipercromias mais comuns são:

– Melasma: aparecem geralmente durantes a gravidez e afetam áreas do rosto como testa, nariz e maçãs do rosto;

– Melanose solar: como o próprio nome já diz, é ocasionada pela exposição solar;

– Sardas ou efélides: têm origem hereditária;

– Fitofotomelanoses: surgem devido ao contato da pele com frutas cítricas como o limão;

–  Hipercromias pós-inflamatórias: geradas por meio de um processo inflamatório como picada de insetos, acne e depilação. É mais comum em peles escuras e negras.

Para realizar um tratamento efetivo desta alteração estética, é preciso, primeiramente, avaliar qual a camada de pele atingida, por isso é importante procurar ajuda de um especialista.

Depois são utilizados produtos com agentes despigmentantes, que promovem uma ação clareadora na pele, dentre eles destacam-se: a hidroquinona, o ácido glicólico, o ácido retinóico, o ácido ferúlico, B- White, TGP 2 Peptídeo e o VC IP, entre outros.

É importante lembrar que para cada fototipo de pele é recomendado um tratamento especifico, além de ser necessário verificar se a pele é seca, mista, oleosa e/ou sensível, pois isso interfere no resultado final do procedimento. E a época do ano mais recomendada para a realização dos protocolos de hipercromias é o outono, pois assim, a incidência de raios solares é menor.

Confira uma lista de produtos selecionados para tratar as hipercromias:

O Clareador de pele Luminance é um produto completo para quem quer tratar e prevenir manchas. Trata manchas de todas as causas: gestacional, processo inflamatório, solar, de depilação e manchas corporais. Não contém ácidos de ação queratolítica. Pode ser usado home care.

O Vita C Enzyme, é uma máscara que promove um peeling enzimático, proporcionando a renovação cutânea, prevenindo danos causados pela radiação UV, atenuando rugas finas e proporcionando tonalidade uniforme, reduzindo manchas. Também estimula a síntese de colágeno e protege os fibroblastos, pois possui vitamina C. Pode ser usado em qualquer estação do ano e também como home care para continuidade do tratamento.

Já o Ionto White Skin auxilia nos tratamentos de clareamento de pele, com ação inibidora da formação de melanina. Indicado para tratamento, prevenção e manutenção de peles com manchas de causas solares, senis, depilação, atritos, queimaduras e do uso de medicamentos. Também é indicado para pré e pós-cirurgias plásticas e medicina estética para evitar hiperpigmentação pós-operatória. Este produto deve ser usado com aparelhos de eletroterapia e aplicado por um profissional capacitado.

E para profissionais da estética que desejam trabalhar com ácido o Kit Skin Reveal, que reúne um total de 58% de substâncias ácidas (AHA e BHA + enzimas) em uma sinergia inteligente com demais ativos que promovem ação de renovação celular em todos os fototipos de pele, de maneira segura e eficaz. Indicado para tratamentos de manchas e melasma, envelhecimento, hiperpigmentação pós-inflamatória e cicatrizes de acne.

Fontes: http://dermonutre.com/manchas-na-pele/
http://www.cff.org.br/sistemas/geral/revista/pdf/17/tratamento_de_hipercromia.pdf
Este material é de autoria de Buona Vita e está protegido sob a Lei de Direitos autorais. A sua reprodução total ou parcial é permitida, desde que na sua forma original sem qualquer tipo de adulteração ou alteração, sendo obrigatório a citação do nome do autor, sua obra e fonte de veiculação. O descumprimento destas condições ensejará ao infrator as penalidades cíveis e criminais cabíveis.